No fundo, bem dentro de nós, tu conheces os pormenores do que é preciso para ser feliz, bem sucedida e manter um estado de espírito pacífico. No entanto, podes achar difícil aplicar essas táticas no teu quotidiano. Ninguém é perfeito e nem sempre podes conhecer a melhor coisa a fazer em todas as situações, mas tu podes trabalhar continuamente para seres a melhor versão, de ti mesma.

Ufa, ainda bem que somos imperfeitas. Já viste o que era se todos fôssemos perfeitas? O mundo ia ser uma seca! Ao contrário da imperfeição, bloqueia a nossa vida, deixa-nos num estado de estagnação. Ao acharmos que somos perfeitos, deixamos de procurar inovar, conhecer novos conceitos, novas maneiras de ver o mundo.

Habitualmente não nos permitimos ser aquilo que merecemos, por falta de auto-confiança, medos, rejeição, crenças ou julgamentos dos outros e até de nós próprios, bloqueando a nossa vida e acima de tudo quem somos.

Faz-te uma pergunta.

De 1 a 10, quanto deixas de fazer o que te apetece ou ser quem és por possíveis julgamentos?

De 1-10, quanto permites rebaixares-te, com medo das consequências?

De 1-10, quanto permites que te impeçam de viveres a vida que queres?

Tudo isto são como pedras no sapato. Aquelas pedrinhas que entram e nos vão incomodando enquanto andamos, até
que já não aguentamos, paramos e as mandamos sapato fora. É exactamente isto que temos de fazer com as culpas, medos, julgamentos, etc. Se não andas com pedras nos sapatos, porque raio é que tens que andar com o resto?

Nós merecemos ser felizes, respeitados e amados. Nada menos que isto.

Como fazer para ultrapassar crenças limitadoras, medos, culpas? A auto-confiança vem quando nos livramos das pedras que carregamos.

1º Identifica exactamente quais são e escreve num papel

2º Avalia o porquê de os teres e como apareceram

3º Quais as emoções que te trazem

4º O que acontece se fizeres exactamente o contrário, ou seja (se tens um medo imenso de falar em público, o que te pode acontecer, se falares?)

Ter a consciência dos nossos sentimentos, das nossas emoções, da sua origem, se são fundamentados ou não e arranjando soluções para os ultrapassar, ganhamos mais auto-determinação e auto-confiança. Conseguindo assim enfrentar os medos, julgamentos, rejeições, crenças limitadoras.

Ou seja, permitimos assim sermos aquilo que merecemos e nada menos que isso!